Brandão completa 30 dias afastado do Estado

Além de não resolver problemas em vários setores da sua gestão, tucanosocialista, de São Paulo, ainda enxerga a possibilidade de sofrer revés em relação ao seu projeto de reeleição.

O governador Carlos Brandão (PSB) completa, nesta sexta-feira (17), trinta dias afastado do Maranhão.

Ele permanece internado em um hospital particular de São Paulo recupera-se de uma cirurgia para retirada de um cisto nos rins.

A licença de Brandão expira na próxima segunda-feira (20). E, de acordo com informações de bastidores, é possível que ele a renova mais uma vez, junto a Assembleia Legislativa, desembarcando no Estado somente no início de julho.

A ausência do tucanosocialista da cadeira principal do Palácio dos Leões tornou o Governo ainda mais acéfalo, com ações pontuais nos municípios que resumem-se à entrega de cestas básicas; distribuição de pescados; e assinatura de ordens de serviço.

O serviço de ferry-boat, que faz a travessia entre São Luís e a Baixada Maranhense, continua um caos.

Apenas três embarcações, da Internacional Marítima, estão operando. Outras três, da falida Servi Porto, estão sucateadas e paradas, graças a três intervenções – duas realizadas por Flávio Dino e outra pelo próprio Brandão – promovidas pelo Governo.

A José Humberto, balsa de 35 anos contratada pela gestão de Carlos Brandão e anunciada como nova e de alto padrão, continua ancorada na Ilha do Medo, a noroeste da capital, aguardando nova inspeção da Capitania dos Portos.

Brandão, que tomou posse no dia 02 de abril, ainda não conseguiu apresentar aos maranhenses um plano concreto contendo ações de enfrentamento da miséria, gargalo que se estabeleceu há sete anos no Maranhão.

Dos dez municípios do Brasil com os piores Índices de Desenvolvimento Humano, oito são maranhenses, de acordo com estudo da Fundação Getúlio Vargas feito com base em dados do IBGE.

Ainda segundo dados do Instituto, das cinquenta cidades mais pobres do Brasil, cujas populações apresentam menor renda per capita, quarenta são do Maranhão.

A inércia do governo de Carlos Brandão não está somente no campo administrativo.

Deputados estaduais, por exemplo, que integram sua base de apoio da Assembleia, estão extremamente insatisfeitos pelo fato de ainda não terem recebido suas emendas impositivas.

Prefeitos e outras lideranças reclamam de compromisso assumidos e que, até hoje, não foram cumpridos.

Para piorar a situação, aliados de Flávio Dino trabalham e torcem, nos bastidores, para que Brandão permaneça tratando da saúde e se abstenha de concorrer a reeleição.

O plano é fazer com que o ex-secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, democratapetista escolhido como companheiro de chapa do tucanosocialista, encabece a candidatura majoritária do campo governista.

Esta história, inclusive, trataremos em um próximo post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.