Dino confirma reunião com líderes partidários e reafirma critérios de escolha do candidato de consenso

Compromisso com as ações exitosas do Governo; capacidade de reunir maior número de apoios políticos; e potencial eleitoral, que é mensurado através de pesquisas, irão balizar indicação do sucessor do socialista.

O governador Flávio Dino (PSB) confirmou nesta quarta-feira (03), durante agenda de trabalho no município de Imperatriz, que reunirá, ainda este mês, representantes de partidos que lhe prestam apoio para tratar da escolha do candidato de consenso que representará o seu grupo político na eleição do ano que vem para o Palácio dos Leões.

“Estamos no mês certo, nós vamos fazer uma reunião dos partidos, até o final do mês, ouvir a opinião de todo mundo e, se Deus quiser, chegar a uma definição que unifique todo esse grande grupo político que integra hoje o nosso governo. Vamos fazer sempre no diálogo, no entendimento. Sempre foi essa a minha linha de trabalho. E estamos neste mês que é tão importante para a história política no que se refere ao ano de 2022”, afirmou o socialista em entrevista ao programa Jornal dos Municípios.

Questionado se irá levar em consideração, de fato, critérios estabelecidos por ele próprio em uma Carta Compromisso assinada no dia 05 de julho, Dino afirmou que sim.

Relatou que os critérios que balizarão o nome que irá sucede-lo são: lealdade e compromisso em dar continuidade as ações exitosas do Governo; capacidade de agregar o maior quantitativo de forças políticas e partidárias; e possui o melhor potencial eleitoral, que é mensurado através das pesquisas de intenção de voto.

“Nós fizemos um pacto, de todos os partidos, abrangendo três critérios. E esses são os critérios que eu estou levando em conta no diálogo com os partidos. Primeiro critério é lealdade, fidelidade ao programa ,as mudanças que nós fizemos no Mmaranhão, como a Uema Sul, Escola Digna e outros investimentos. Em segundo lugar agregação política, que consiga reunir o apoio da maior parte da classe política, abrangendo prefeitos, deputados, partidos. Em terceiro, lugar o potencial eleitoral. Então, assinamos esse acordo e estes são os três critérios que estão sob a mesa”, disse.

Sobre um possível racha na sua base, o governador explicou que o seu desejo é que este cenário não se estabeleça.

“O meu desejo é que não haja racha. Confio sempre no bom senso, no equilíbrio, no entendimento. Então, eu tenho muita confiança de que com esse método de conversa, de negociação, todo mundo entendendo que tem que ceder um pouco, a gente vai chegar a um bom resultado”, completou.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.