Ricardo Diniz cobra das autoridades solução para comerciantes do Caolho e Olho D´Água

Vereador reuniu-se com os comerciantes.

Em pronunciamento na Câmara Municipal de São Luís, o vereador Ricardo Diniz (PCdoB) cobrou um posicionamento das autoridades sobre uma solução para donos de bares, garçons, vendedores e demais trabalhadores das praias do Caolho e Olho D ‘água que foram obrigados a deixar os estabelecimentos depois de uma operação realizada pelo Ministério Público e Blitz Urbana em julho de 2016.

Os trabalhadores encontram-se há um ano à espera de uma solução, pois tiravam o sustento do trabalho nas praias. Eles querem que os órgãos competentes criem condições para que os estabelecimentos voltem a funcionar nas praias dentro dos padrões exigidos.

Diniz disse que vai solicitar uma audiência pública na Câmara para que a situação seja discutida e representantes dos comerciantes e dos órgãos, responsáveis pela operação, entrem em acordo e se encontre uma solução para que esses trabalhadores sejam recolocados no mercado de trabalho.

“É duro ver pais e mães sem ter como sustentar suas famílias, espero que por meio dessa união de esforços, saia uma solução para que os comerciantes possam voltar ao trabalho nas praias dentro dos padrões estabelecidos e com mais tranquilidade para trabalhar”, explicou.

Farmácias — Em outro pronunciamento, Ricardo Diniz destacou sua preocupação com a falta de segurança nas farmácias de São Luís. Depois de ouvir relatos de funcionários, o vereador revelou que os trabalhadores estão apavorados por não saberem mais o que fazer para se proteger.

“É uma situação muito delicada, as pessoas saem de casa para trabalhar com medo” ressaltou o vereador. Ricardo Diniz citou a história de uma funcionária que está de licença, pois ficou com depressão e síndrome do pânico, depois de ser várias vezes vítima dos assaltantes nas farmácias
que trabalhou.

O vereador disse que, além do trauma causado pela violência, os funcionários reclamam que são obrigados a arcar com o pagamento do valor levado pelos marginais.

“O Ministério Público do Trabalho precisa saber se isso acontece mesmo, pois acreditamos que essas são denúncias graves”. Ricardo Diniz garantiu que vai dar entrada em um Projeto de Lei para
obrigar as redes de farmácias a equipar as lojas com segurança privada para dar mais tranquilidade aos funcionários e clientes.

O vereador também garantiu que vai solicitar uma audiência pública para debater o caso e tentar encontrar uma solução.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.