Polícia realiza busca e apreensão na residência do ex-prefeito de Pio XII

Policiais civis cumpriram nesta última quinta-feira mandados de busca e apreensão nas residências do ex-prefeito de Pio XII, Paulo Roberto Sousa Veloso (foto), e do ex-secretário municipal de Finanças, Melquizedeque Fontenele Nascimento. A ação foi determinada pela Justiça, que atendeu pedido do Ministério Público Estadual. Veloso e o secretário são acusados de lesar os cofres públicos do município através de várias transferências bancárias feitas a empresas que estão sendo investigadas pelo MP. Nas casas do ex-prefeito e do ex-secretário foram apreendidos documentos, computadores, uma arma e três munições, pendrives e hd externos.

Veloso chegou a ser afastado do cargo ano passado acusado de desviar da prefeitura mais de R$ 2 milhões.

Ao instaurar procedimento administrativo para acompanhar o final da gestão passada, com o objetivo de preservar o patrimônio público e a transição municipal, o Ministério Público descobriu várias transferências bancárias de valores acima de R$ 50 mil para empresas investigadas pela Promotoria de Justiça em semanas anteriores às eleições de 2016.

Diante dessas informações, repassadas pelo Banco do Brasil, o promotor de justiça Francisco Thiago Rabelo requisitou ao então prefeito, Paulo Veloso, que esclarecesse a motivação das transferências, apresentando contratos e licitações. Também foram solicitados os processos de pagamento de agosto até 31 de dezembro do ano passado.

Nenhuma requisição do MP foi respondida pelo Executivo municipal.

O prefeito eleito comunicou ao MP, em 7 de dezembro, que tentou realizar a transição municipal, mas não obteve acesso aos documentos. Em seguida, a Promotoria de Justiça ajuizou notificação judicial a fim de obrigar Veloso a cumprir o processo de transição, mas a notificação nem chegou a ser apreciada pelo Poder Judiciário.

Em fevereiro deste ano, a Promotoria de Justiça requisitou ao atual gestor informações acerca da transição municipal e foi informada que não recebeu quaisquer documentos, a exemplo de licitações, contratos, processos administrativos, folhas de pagamento etc.

Os computadores foram deixados formatados ou faltando peças.

“Tais medidas por parte do gestor passado prejudicam tanto a atual administração que não tem como efetuar controle dos contratos administrativos em andamento, assim como do funcionamento da máquina municipal, além de prejudicar as investigações do Ministério Público”, afirmou Francisco Thiago Rabelo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.