Algumas considerações sobre o projeto Zé Reinaldo Senador

O ex-governador e atual deputado federal, José Reinaldo Tavares (PSB), é, sem dúvida, um dos políticos mais respeitados do Maranhão.

Dono de um perfil conciliador e de uma bagagem considerável composta por serviços prestados ao estado ao longo de décadas, Zé Reinaldo transita bem entre todos os agentes do poder, inclusive membros do grupo Sarney, o qual o socialista rompeu quando comandou o Palácio dos Leões.

Desde que deixou o governo, Zé Reinaldo sonha em eleger-se senador pelo Maranhão.

Na eleição de 2014, no grupo do então candidato a governador Flávio Dino (PC do B), tentou se viabilizar. Mas a conjuntura política não permitiu. Desde o início do ano, o projeto Zé Reinaldo senador do Maranhão voltou a ganhar corpo.

E começou bem. Ainda em janeiro, recebeu o apoio público do prefeito de Tuntum e presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, Cleomar Tema.

O ex-governador conta, ainda, com apoio e simpatia de outras fortes lideranças, como o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT); e de integrantes do seu partido.

Mas Zé Reinaldo precisa ficar atento. Além dele, os também deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Waldir Maranhão (PP) estão em plena pré-campanha objetivando representar o grupo de Flávio Dino na corrida senatorial.

E ambos estão sabendo fazer isso. Constantemente, Rocha e Maranhão são vistos em suas bases eleitorais – sejam elas antigas ou novas – fazendo política e se cacifando para 2018.

Os movimentos dos dois geram notícias diversas sobre o tema.

Zé Reinaldo pode até estar realizando o mesmo trabalho. Porém, poucos têm conhecimento.

O ex-governador parece não fazer questão de divulgar seus encontros políticos; declarações de apoio de correligionários; visitas aos municípios.

Não que isso seja preponderante nesta corrida. No entanto, ao fazê-lo, Zé Reinaldo estará mostrando força e prestígio. Atributos, que na avaliação do editor do blog, ele tem.

Flávio Dino já bateu o martelo e definiu: os dois candidatos que disputarão o Senado representando o seu grupo serão aqueles que melhor estiverem posicionados nas pesquisas.

Não pesará para o governador o fato de Zé Reinaldo tê-lo inserido na vida política elegendo-o deputado federal em 2006.

Por isso, volto a repetir: o ex-governador precisa estar atento. Precisa mostrar que, de fato, é pré-candidato com P maiúsculo. Precisa mostrar seus aliados, suas visitas e movimentações neste sentido.

Este trabalho só fortalecerá o seu projeto para 2018. Seja pelo grupo de Dino, seja por um outro partido ligado ao grupo Sarney.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.