Edivaldo admite fusões de Secretarias e descarta aumento de passagens de ônibus

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) admitiu nesta segunda-feira (06), durante participação na reabertura dos trabalhos legislativos da Câmara Municipal de São Luís, a possibilidade de fusão de Secretarias como parte da reforma administrativa que ele pretender concluir ainda este mês.

O pedetista também voltou a negar qualquer possibilidade de reajuste da tarifa dos coletivos que circulam na capital.

O projeto de lei instituindo a reforma deverá ser encaminhado à Câmara ainda esta semana. Na Casa, atualmente, só está o decreto, assinado pelo prefeito no mês passado, que contingenciou despesas do Executivo Municipal. A medida visa economizar, somente este ano, cerca de R$ 100 milhões com despesas de custeio e pessoal.

Questionado por jornalistas sobre quais Secretarias poderão ser fundidas, Edivaldo não citou nomes e apenas admitiu a possibilidade.

Também especula-se nos bastidores que Edivaldo poderá convidar mais um vereador, eleito pelo chamado Chapão (PDT, DEM, PR e PROS), para compor seu secretariado – reveja. O prefeito ainda não se manifestou sobre a possibilidade.

A reforma administrativa promovida por Edivaldo teve início ainda em dezembro. Na ocasião, foram anunciadas as seguintes mudanças: Na Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação assumiu Mádison Leonardo Andrade Silva, que estava na Comissão Permanente de Licitação. Diogo Lima, que era titular da Semurh, foi para o comando da Coliseu, para conduzir a liquidação da extinta Companhia de Limpeza de São Luís.

O ex-deputado Hélio Soares passou a comandar a Secretaria de Relações Parlamentares, sendo que o também ex-deputado Jota Pinto foi nomeado para Secretaria de Articulação Política.

A CPL passou a ter como presidente Thiago Braga, que já integrava o quadro administrativo do órgão.

O vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) deixou a titularidade do mandato para comandar a Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento. No seu lugar, assumiu o suplente Paulo Victor (PROS).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.