Roseana pode cometer o mesmo erro de 2014 e sepultar, de vez, seu grupo político

Em 2014, Roseana poderia ter saído para o Senado e feito Luis Fernando governador de forma indireta.

No fim do mês passado (reveja), a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) teve que recorrer aos veículos de comunicação de sua família para negar que tenha desistido de disputar, este ano, o comando do Palácio dos Leões.

Roseana chegou a classificar de “fake news” informações revelando o seu suposto recuo.

Ocorre que o discurso da emedebista mostra-se distante do posicionamento de alguns de seus aliados e familiares quando questionados sobre o assunto.

Sobrinho da ex-governadora, o deputado estadual Adriano Sarney (PV), por exemplo, em entrevista concedida à Folha, neste último fim de semana, afirmou: “Não sei dizer sinceramente [se ela vai até o fim], porque é uma decisão muito dela, não sei o que o seu coração está falando”.

Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Sarney Filho (PV) deixou claro que a irmã não desejava concorrer e, se o fizer, será por obra, graça e insistência tremenda do pai, o ex-presidente José Sarney (MDB).

Roseana trabalha, sim, com a possibilidade de não concorrer ao seu quinto mandato como governadora.

E caso realmente desista, repetirá o mesmo erro de 2014, quando prejudicou todo o seu grupo político, tendo entregado de bandeja a eleição para o então candidato Flávio Dino (PC do B).

À época, Roseana recebeu do sociólogo, cientista político e empresário, José Antônio Guimarães Lavareda Filho, um minucioso estudo de cenários que apontava um único caminho para que o grupo Sarney pudesse bater o comunista.

Nele, a então governadora sairia para o Senado [com totais condições de obter a vitória] e elegeria de forma indireta, via Assembleia Legislativa, o secretário estadual de Infraestrutura, Luis Fernando Silva, como novo chefe do Palácio dos Leões.

Luis Fernando, sentando na cadeira de governador, teria seis meses para pavimentar seu caminho à reeleição e com a força bruta da máquina estadual, segundo o estudo, desbancaria Flávio Dino.

Roseana, como é de conhecimento público, seguiu o caminho contrário.

Não saiu para o Senado; defenestrou Luis Fernando, hoje prefeito de São José de Ribamar e aliado de Dino; não ajudou Gastão Vieira, que foi batido por Roberto Rocha na briga pela única vaga para Câmara Alta; e renunciou ao mandato no apagar das luzes para entregar o bastão para Arnaldo Melo, então presidente da Assembleia Legislativa.

Este ano, caso realmente não concorra, Roseana ajudará, mais uma vez, Flávio Dino, que se reelegerá no primeiro turno.

E jogará uma pá de cal no projeto senatorial do irmão; na reeleição de Edison Lobão (MDB) e nas esperanças de José Sarney, que enxerga na filha a única chance de manter de pé o que ainda resta do seu legado político no Maranhão.

É aguardar e conferir.

6 ideias sobre “Roseana pode cometer o mesmo erro de 2014 e sepultar, de vez, seu grupo político

  1. Ela têm que concorrer a governo este ano, pois eu quero é ver o meu governador Flávio Dino derrotala. Eu quero é ver o Flávio Dino aplicar em Roseana, a engana engana que já não mais consegue enganar à ninguém, uma taca tchaca na mutchaca bem grande nela.!!!! É isso aí.

  2. Pingback: Pesquisa que definirá candidatura de Roseana será apresentada ao grupo Sarney esta semana - Blog do Gláucio Ericeira

  3. Pingback: Eleições 2018: Possível recuo de Roseana prejudica projeto de toda oposição - Blog do Gláucio Ericeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *